Brasília, 24 de agosto de 2019 - 05h36
República Dominicana apresenta ambiente de negócios na FIESP

República Dominicana apresenta ambiente de negócios na FIESP

05 de julho de 2019 - 15:49:24
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília - Representantes do governo da República Dominicana apresentaram na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), na semana passada, um diagnóstico do ambiente de negócios do país, que vem se configurando como um hub de acesso a mercados na Europa, na América do Norte e no resto da América Latina.

“Apesar de sermos uma ilha pequena, nossa economia não depende apenas de um setor produtivo, e temos acordos de livre comércio com os principais países do mundo, incluindo um acordo de última geração com os Estados Unidos”, explicou o vice-ministro de Assuntos Econômicos e Cooperação Internacional da República Dominicana, Hugo Rivera.

Com localização geográfica estratégia, economia diversificada, sistema de governo e crescimento estáveis e inflação controlada, a República Dominicana vem se tornando o principal destino de investimento no Caribe. Sozinho, o país capta mais da metade dos investimentos estrangeiros diretos da região. Entre 2010 e 2018, a República Dominicana recebeu US$ 22.7 bilhões de investimentos estrangeiros, sendo 18% aplicados em turismo. Apenas no ano passado, cerca de 6,6 milhões de turistas visitaram o país caribenho.

Números indicados por organizações internacionais atestam a boa fase da República Dominicana. Relatório divulgado pela Economic Comission for Latin America and the Caribbean (ECLAC), em agosto de 2018, projetou um crescimento de 5,4% para 2019, o maior de toda a região. No ano anterior, o país havia registrado um crescimento de 4,6%, atribuído pelas autoridades ao dinamismo de sua economia, sua indústria e suas relações comerciais.

Além de ser um seguro para fazer negócios, há mais de vinte anos a República Dominicana goza de uma zona franca, que reúne mais 74 parques industriais fornecedores de serviços e infraestrutura de qualidade internacional, gera 171.886 mil empregos diretos e mais de 200 mil vagas de trabalho indiretas e concentra quase US$ 4.9 bilhões de investimentos provenientes da União Europeia e países como Canadá, Reino Unido, Alemanha e China.

“Olhamos muito pouco para a América Central e para o Caribe”, reconheceu Roberto Aluísio Paranhos, diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da FIESP. “Não podemos deixar de olhar para essa oportunidade de investir na República Dominicana e acessar os mercados vizinhos”, acrescentou.

A Cervejaria AmBev fez um investimento inicial de US$ 100 milhões na República Dominicana, em 2005, e desde lá vem registrando um crescimento exponencial. Em 2012, a empresa adquiriu o controle da Cervejaria Nacional Dominicana, atualmente investindo em uma nova linha de cerveja e em um novo centro de distribuição, e para 2020 pretende reativar sua própria indústria de garrafas de vidro.

“Temos a marca de bens de consumo favorita da República Dominicana, geramos mais de 60 mil empregos em toda a cadeia. Nossa companhia na Cervejaria Nacional Dominicana representa aproximadamente 2% do PIB, arrecada mais de US$ 15 milhões em impostos por ano, o que representa 5% da arrecadação total do país, e pretendemos investir mais US$ 200 milhões nos próximos anos”, revelou Ricardo Gonçalves Melo, vice-presidente de Relações Corporativas da AMBEV.

Em 2018, autoridades do Brasil e da República Dominicana participaram de uma reunião histórica na qual foram negociadas visitas e discutidas tratativas de acordos entre os dois países, e que resultou na supressão do visto para brasileiros e dominicanos interessados em visitar as duas nações. A República Dominicana faz votos de que uma nova reunião entre os países aconteça muito em breve a fim de concluir a discussões sobre investimentos entre os dois países.