Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Mundo
Uruguai e Venezuela retomam diálogo diplomático de forma discreta
09/05/2017 - 12h55

Brasília - Os ministérios das Relações Exteriores do Uruguai e da Venezuela decidiram retomar o diálogo bilateral depois de quase um mês de distanciamento provocado pelas declarações do presidente Nicolás Maduro de que Montevidéu estava colaborando com os Estados Unidos em um plano para derrubá-lo.

Maduro afirmou que o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, estava conspirando em parceria com a embaixadora norte-americana no Uruguai, Kelly Keiderling, e o Departamento de Estado, para agredir a Venezuela.

Segundo informa a chancelaria uruguaia, os dois países retomaram o diálogo diplomático no “mais alto nível”, o que significa que os ministros Novoa e Delcy Rodríguez voltaram a conversar sobre a crise política que isola a Venezuela do restante dos países da região.

As acusações de Maduro provocaram a ira do presidente Tabaré Vázquez para quem “exploramos ao máximo as possibilidades de cooperar com a situação da Venezuela em nível regional”. Ele também cobrou provas a respeito das denúncias, mas Caracas silenciou e o embaixador venezuelano em Montevidéu, Julio Chirino, ignorou as convocações feitas pela  chancelaria uruguaia para explicar-se.

Vázquez cobrou uma retratação pública de Maduro, algo que também não aconteceu. Em um gesto de aproximação, no dia 21 de abril, Chirino entregou ao governo do Uruguai o beneplácito do seu país ao futuro embaixador do Uruguai em Caracas, Alberto Fajardo.

O seu encontro com Nin Novoa durou exatos dois minutos e o venezuelano deixou a chancelaria com uma nota de repúdio às declarações de Maduro. De qualquer forma, o gesto serviu para que os dois países retomassem o diálogo tornando o Uruguai no único país do MERCOSUL com quem a Venezuela tem contato direto.