Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Brasil
Brasil pode não renovar contrato para a compra de gás da Bolívia
21/03/2017 - 15h05

Brasília - O Brasil poderá não renovar o contrato para a importação de gás natural da Bolívia, que vence em 2019 e vem sendo lentamente renegociado. A possibilidade preocupa La Paz que conta com esse mercado para consolidar-se como pólo energético sul-americano.

De acordo com analistas, o incremento das reservas de hidrocarbonetos dos Estados Unidos provocará um excesso de oferta do produto, o que puxará os preços para baixo e obrigará os países produtores a enfrentar uma nova realidade.

A Petrobras já deixou claro que não irá renovar o contrato sob as mesmas bases e termos firmados em 1996. Atualmente, o Brasil importa 30 milhões de metros cúbicos de gás natural. Em janeiro, houve queda no volume e agora, o governo estuda rever as projeções e discutir com a Bolívia, um contrato diferente do atual.

A Bolívia pretende aumentar as exportações de gás tanto para o Brasil como para a Argentina e implementar a venda de energia elétrica para as duas principais economias sul-americanas. Há ainda a intenção em construir em conjunto com o Brasil, uma hidroelétrica binacional nos moldes de Itaipu.

No entanto, o governo brasileiro parece ter outros planos, o que pode comprometer os esforços feitos por Evo Morales para transformar a Bolívia em principal provedor energético da região.