Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Mundo
MERCOSUL decide avançar em negociações com a UE sem a Venezuela
14/03/2017 - 14h22

Brasília - Os chanceleres da Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, reunidos nesta quinta-feira, 9, em Buenos Aires, decidiram avançar nas negociações para um Tratado de Livre Comércio com a União Europeia (UE) sem a presença da Venezuela. A ideia é unificar as estratégias para tornar mais forte a proposta sul-americana a ser discutida no final do mês em reunião técnica dos dois blocos.

Entre os dias 20 e 24 de março, representantes do MERCOSUL e da UE retomarão as negociações. O MERCOSUL pretende fechar um acordo ainda em 2017 sob as presidências da Argentina e do Brasil.

De acordo com a ministra de Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, “em dez dias chega o grupo negociador. Definimos a estratégia no nível político e discutimos como aproximar as opções que temos. Cada vez há mais interesse e temos que fixar quais são as primeiras negociações em que avançaremos”, disse.

Ela revelou ainda que durante a reunião com os colegas Aloysio Nunes Ferreira, Rodolfo Nin Novoa e Eladio Loizaga, ficou decidido que o MERCOSUL adotará medidas para fortalecer o mercado interno, com a eliminação de barreiras ao comércio e ao trânsito dentro do bloco, além da harmonização das normas fitossanitárias e do aprofundamento dos acordos de investimentos.

“Agora que estamos avançando nas negociações extrarregionais, temos que ter muito mais unido o mercado interno”, defendeu Malcorra.

Os quatro chanceleres discutiram ainda a suspensão da Venezuela e sua situação interna, mas nenhuma decisão foi anunciada. “Não sabemos até quando essa situação vai durar, mas também falamos sobre nossa preocupação em relação à situação democrática da Venezuela", disse o ministro brasileiro.

Na sua avaliação, o governo venezuelano tampouco está afinado com os demais membros do MERCOSUL que têm “uma convergência de pontos de vista em relação a concepção de liberdade de comércio, do intercâmbio entre as pessoas, liberdades democráticas, segurança jurídica”.

Brasil e Argentina aprofundarão acordos bilaterais

Brasil e Argentina decidiram nesta quinta-feira, 9, aprofundar os acordos bilaterais e reforçar o relacionamento em todas as áreas. A agenda comum foi tema da reunião entre o presidente argentino, Mauricio Macri, e o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, em Buenos Aires. Os dois países também coincidiram em aprofundar o relacionamento econômico regional com a Europa.

Aloysio Nunes Ferreira elegeu a Argentina como seu primeiro destino internacional dois dias após assumir o cargo de chanceler no lugar do senador José Serra. De acordo com a chancelaria argentina, a reunião entre Macri e o ministro brasileiro é parte dos entendimentos firmados em fevereiro quando o presidente argentino realizou visita de Estado ao Brasil e reuniu-se com Michel Temer.

Na ocasião, ficou decidido que o acordo de livre comércio com a União Europeia seria a principal prioridade para ambos que dividem a presidência do MERCOSUL em 2017. O Brasil assume o comando do bloco em julho. Macri e Aloysio também avaliaram os resultados das reuniões de coordenadores nacionais do Grupo Mercado Comum e do Grupo de Relacionamento Externo do MERCOSUL, realizadas na mesma data no Palácio San Martín, sede da chancelaria argentina.

O chanceler brasileiro reuniu-se ainda com o ministro da Produção da Argentina, Francisco Cabrera.