Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Brasil
Bolívia revela que quatro estados brasileiros querem comprar gás diretamente
16/02/2017 - 13h29

Brasília - O governo da Bolívia informou nesta quarta-feira, 15, que quatro estados brasileiros querem comprar o gás boliviano diretamente. Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Panará, negociam a compra direta por meio da MSGAS, empresa privada distribuidora de gás no Mato Grosso do Sul, confirmou o seu presidente, Rudel Espíndola Trinidade Junior.

Segundo ele, “nos reunimos com as autoridades do governo boliviano para buscar uma importação direta de gás. Existe o interesse de comprar diretamente o produto. Temos uma necessidade de uma demanda inicial imediata para as termoelétricas já instaladas que precisam de gás. Um volume de 13,5 milhões de metros cúbicos”, explicou.

Nesta quarta-feira, 15, ele participou de reunião com o ministro de Hidrocarbonetos, da Bolívia, Luis Alberto Sánchez, na companhia do governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja.

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, também recebeu os ministros Luis Alberto Sánchez Fernández, de Hidrocarbonetos, e Rafael Alarcón Orihuela, de Energias, ambos da Bolívia, além de comitiva do país vizinho, na abertura da III Reunião do Comitê Técnico Binacional, realizada em Brasília.

Após a reunião, na qual as autoridades bolivianas apresentaram um panorama sobre o setor de energia do país, técnicos do ministério de Minas e Energia e suas contrapartes bolivianas participaram de reuniões dos grupos técnicos temáticos de Eletricidade e Gás Natural.

Fernando Coelho Filho afirmou que é interesse do Brasil avançar na pauta bilateral, para que seja dado mais um passo na almejada integração energética entre o Brasil e a Bolívia. Para tanto, foi assinado o Segundo Termo Aditivo ao Memorando de Entendimento existente entre os países, com o objetivo de formalizar a entrada do novo ministério de Energias da Bolívia no Comitê Bilateral, após mudanças na estrutura da pasta na Bolívia.

“Sob o comando dos presidentes Michel Temer e Evo Morales, seguimos construindo novas bases para o Brasil e a Bolívia, sob as premissas da transparência, da competitividade, da racionalidade e da segurança jurídica. Nosso objetivo comum, como países vizinhos e irmãos, é o crescimento econômico com justiça, bem-estar social e respeito à natureza”, afirmou Fernando Coelho.

O secretario-executivo do MME, Paulo Pedrosa, destacou a importância da relação brasileira com os ministérios de Hidrocarbonetos e de Energia da Bolívia, em um momento da recuperação da economia brasileira. “O início de 2017 é um marco em nosso trabalho.  É muito bom trabalhar com a Bolívia, um parceiro que nos desafia a buscar resultados. Nossa relação com a Bolívia vai se dar de forma alinhada com o desenvolvimento do nosso setor elétrico. Estamos motivados e o momento de fato é esse, para começarmos a coleta de resultados”, afirmou.

Os dois países também discutem a formação de uma sociedade mista através da termoelétrica instalada em Corumbá (MS). A próxima reunião do Comitê Técnico Bilateral deve ocorrer na Bolívia, em março, na cidade de Santa Cruz.