Para imprimir é necessário habilitar o pop-up Enviar a notícia por e-mail
Aumenta a fonte 
Aumenta a fonte 
Agenda
MERCOSUL é alternativa para o México frente as renegociações do NAFTA
06/02/2017 - 16h13

Brasília - O MERCOSUL, bloco integrado por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai (a Venezuela está suspensa), é a alternativa para o México caso fracassem as renegociações em torno do Tratado de Livre Comércio da América do Norte, conhecido como NAFTA. Argentina e Brasil, em especial, despertam o interesse do setor privado mexicano.

No entanto, os números mostram que o México fará de tudo para recompor as relações com os Estados Unidos. Nos últimos anos, o comércio bilateral atingiu os US$ 495,5 bilhões, sendo superavitário para os mexicanos em US$ 309,8 bilhões. Com o Canadá, a balança comercial é favorável ao México em cerca de US$ 20,4 bilhões.

O México é o terceiro parceiro comercial dos Estados Unidos com 14% do seu comércio total, seguido por Canadá, com 15,4% e China com 16%. Os Estados Unidos recebe 80% das exportações mexicanas. Para se ter uma ideia da força dessa relação, o comércio entre o México e os Estados Unidos compreende o que os norte-americanos compram em conjunto da Alemanha, Japão e Coreia do Sul. Além disso, pelo menos dez milhões de postos de trabalho no México estão diretamente vinculados ao comércio com os Estados Unidos.

Diante das medidas e ações do presidente Donald Trump, o presidente mexicano Enrique Peña Nieto e o setor privado mexicano entendem que é preciso diversificar o comércio e modernizar os acordos comerciais vigentes. Neste sentido, voltar-se para o MERCOSUL seria uma das melhores opções para o México e sua vocação latino-americana.

O México também pretende fortalecer a Aliança do Pacífico que permitiu a liberalização de 92% dos produtos entre Chile, Colômbia, Peru e o próprio México, bem como uma maior aproximação com Argentina e Brasil.

A questão é como transformar essas opções em algo tão lucrativo como o NAFTA que gera um intercâmbio comercial de US$ 1 bilhão por minuto. O NAFTA está em vigor há 22 anos, mas nunca esteve tão ameaçado como neste momento com o novo governo norte-americano.