Brasília, 19 de julho de 2019 - 10h25
Mato Grosso do Sul firma acordo de construção de termelétrica com a Bolívia

Mato Grosso do Sul firma acordo de construção de termelétrica com a Bolívia

05 de junho de 2019 - 09:02:41
por: Marcelo Rech
Compartilhar notícia:

Brasília – O governo do Mato Grosso do Sul firmou, nesta terça-feira, 4, em Santa Cruz de la Sierra, o acordo que permitirá à Bolívia fornecer 1,1 milhão de metros cúbicos de gás para a construção da Termelétrica Fronteira, na região de Ladário e Corumbá. Os investimentos serão da ordem de US$ 300 milhões.

Ao participar da solenidade de assinatura do Termo de Compromisso de Fornecimento de Gás Natural pela YPFB, junto com o presidente da Bolívia, Evo Morales, e do ministro de Hidrocarburos, Luis Alberto Sanches, o governador Reinaldo Azambuja destacou a importância da medida ato. “Vamos poder juntos, governo boliviano, governo de Mato Grosso do Sul, a Global e a Camaçari, gerar energia, então vocês, além de fornecer o gás, vão ser sócios de um empreendimento que vai poder gerar energia e irrigar as linhas de transmissão no Brasil”, afirmou.

Azambuja falou também do fortalecimento da integração do Estado com o governo boliviano, que vem abrindo caminhos para importantes parcerias comerciais. “Poder fazer essa parceria na importação de ureia e do potássio é importante. O Brasil importa todo o potássio consumido de outros países e hoje podemos ter outra oportunidade que é a compra do potássio produzido na Bolívia para a produção agropecuária no Brasil. Então, mais do que a assinatura de um termo de compromisso, é firmar realmente uma integração também nas áreas cultural, turística”, afirmou.

“O ato hoje do governador com o presidente Evo Morales é a garantia de demanda de gás para esse projeto, para que ela (a Camaçari) possa participar do leilão, então esse é um fato concreto que vem sendo negociado há mais de dois anos com o governo boliviano. Temos que lembrar que para o governo do Mato Grosso do Sul é extremamente importante essa parceria com o governo boliviano, principalmente em função do gás natural, não é só para essa termelétrica, mas hoje a Bolívia é a principal fornecedora de gás natural para o Brasil e consequentemente de ICMS para o Mato Grosso do Sul”, explicou o secretário do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

Termelétrica Fronteira

O empreendimento a ser erguido entre Ladário e Corumbá, terá capacidade instalada para produzir 266,462 megawatts de energia elétrica e o acordo com a YPFB faz parte da estratégia de negócio da Camaçari, que pretende participar do Leilão de Energia Nova A-6 de 2019, previsto para ser realizada no dia 29 de setembro deste ano pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

De acordo com as regras publicadas pelo Ministério das Minas e Energia, para participar do leilão é necessário que a Camaçari apresente documentação comprovando que terá disponibilidade de gás natural para manter a termelétrica funcionando continuamente.

 

Outra ação que o Governo do Estado trabalha é para que a UFN3, de Três Lagoas, também passe a fazer a compra direta do gás boliviano quando entrar em atividade. A fábrica começou a ser construída em 2011 e foi paralisada em 2014. Já recebeu investimentos de R$ 4 bilhões e está com 81% da obra executada. O consumo de gás natural estimado na unidade é de 2,2 milhões de metros cúbicos por dia.

O governador Reinaldo Azambuja convidou as autoridades bolivianas a fazerem uma visita a Três Lagoas, para que possam conhecer o potencial de produção de celulose no município. Ele entende que o setor é um potencial consumidor também de gás natural da Bolívia.

Ainda na Bolívia, o governador Reinaldo Azambuja e o presidente Evo Morales assinaram o Termo de Cooperação entre o Mato Grosso do Sul e a Bolívia nas áreas de gás natural e ureia. O governador apresentou ao presidente, o projeto da ferrovia TransAmericana, importante para melhorar a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional, com a exportação via portos do Chile e Peru, com custos mais baixos.